Coloninha – 52 anos de história e belos carnavais

coloninha

A Gigante do Continente completa hoje, 10 de janeiro, 52 anos de existência. Muita alegria, sambas inesquecíveis, histórias, fazem desta agremiação uma das mais tradicionais de Santa Catarina.

A escola preparou uma programação especial para as comemorações. Iniciando pela apresentação dos protótipos das fantasias que irão para a avenida, e que em breve serão divulgadas pelo site.

Confira a programação e participe das comemorações da Gigante do Continente, unidos da Coloninha.

coloninha 52 anos

Conheça um pouco da história da Unidos.

(fonte: Site da Unidos da Coloninha – www.coloninha.org.br )

A SOCIEDADE RECREATIVA E CULTURAL UNIDOS DA COLONINHA – S.R.C.U.C., é uma Associação civil sem fins econômicos, fundada em 10 de janeiro de 1962, localizada à rua Tupinambá, 475 bairro Estreito – Florianópolis (SC), foi constituída a partir do surgimento de um animado bloco carnavalesco, que divertia os moradores nos arredores do bairro Coloninha, Florianópolis (SC).

Conhecida popularmente como Coloninha, teve como fundadores os senhores Carlos Sizenando da Cunha, Murilo de Oliveira, Natalício Sizenando da Cunha, Otávio José de Oliveira, Raul André de Andrade, Rodolfo Silva, Santos Leal, Albertino Constâncio Machado, Waldemiro Câmara e João Corrêa de Souza Júnior que definiram o seu pavilhão com as “mão dadas”, representando a união das raças nas cores verde, azul e branco.

O Bairro Coloninha sempre foi um dos berços do samba em Florianópolis.Isso fez com que os jovens carnavalescos e fundadores começassem a sonhar com a criação de uma escola de samba. Esse sonho tornou-se realidade com a criação de uma escola de samba mirim que desfilou durante 03 anos, no entanto não participava dos desfiles oficiais. A intenção naquele momento não era a disputa, mas sim dar um pouco de alegria para a sua comunidade, demonstrando que através do samba uma comunidade carente poderia ser organizada, engajada num projeto que contemplava todas as famílias e que tinha como finalidade o bem estar das pessoas.

O ano de 1964 marcou o último desfile da Escola que ficou sem desfilar pelos próximos 18 anos. Em seu último desfile, seu enredo e samba tinha o nome de “Paladino da Democracia” de autoria de Maranhão, que fazia uma homenagem as demais escolas de samba de Florianópolis e ao presidente norte-americano John Kennedy, que lutava contra o preconceito racial. Neste interregno, mesmo com a inatividade da agremiação carnavalesca o “sonho” de voltar a participar do carnaval de Florianópolis estava eminente na sociedade.

A história da Unidos da Coloninha se confunde com a história dos moradores da própria comunidade. Cada pessoa tem a sua história de vida, mas em cada história a Unidos da Coloninha esteve presente de maneira tão intensa que seria impossível um morador do bairro contar a sua história de vida sem mencionar a Escola de Samba Unidos da Coloninha.

Após esse longo período de inatividade, outros visionários, entre eles o saudoso Mestre Dica e Zé Biguaçu, resolveram procurar os fundadores da Unidos da Coloninha para reviver o sonho dos antigos carnavais que havia sido iniciado nos anos 60. Foi assim que iniciou a fase de ouro da Unidos da Coloninha, fase esta que nunca mais acabara.

Com muita dificuldade e com a ajuda de toda a comunidade, a escola foi reerguida, refundada, repaginada, enfim, surgiu uma nova Coloninha. Uma escola que estava pronta para brilhar na avenida e reformular o carnaval de Florianópolis.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *