Assembléia Geral causa clima tenso na GRES Consulado

 O clima estava tenso na noite do dia 23/09 na quadra da escola de samba Consulado. A Assembléia Geral Extraordinária (AGE) convocada por 1/5 dos associados e que teve uma presença considerável, esquentou após a leitura da ata da ultima reunião. Muitas duvidas foram levantadas pelos presentes questionando situações financeiras referentes ao mandato do Presidente Salomão. A Assembléia Geral Extraordinária que foi convocada com o propósito de “Esclarecimentos pelos membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal da convocação e posterior suspensão da AGE convocada pelo Presidente do Conselho Deliberativo para o dia 27 de agosto de 2012 e o não comparecimento dos membros do CD e CF, a Assembleia tomará as decisões cabíveis.” Porém, o que se presenciou foram diversas acusações graves como um suposto empréstimo  feito pelo presidente da consulado para a escola de samba Caramuru no valor de 17 mil reais. Uma suposta divida do barracão de alegorias da escola que estava para ser despejada, mas segundo o presidente, o mesmo tinha crédito com o locatário e não se entendeu a devida cobrança e ameaça de despejo das alegorias, e uma nota fiscal retirada por uma das filhas da vice presidente Aidê Quadros referente a confecção de enredo sendo que o mesmo trabalho havia sido produzido por outro autor. Outras acusações foram levantadas, porém sem estar em pauta, não dando a oportunidade de maiores esclarecimentos. Por diversas vezes foi possível notar que a escola encontra-se realmente dividida entre conselho e diretoria executiva. Um clima tenso pairou por toda a reunião. Algumas pessoas tentaram amenizar solicitando aos presentes que a escola focasse no carnaval, que os conselhos e diretoria trabalhassem juntos em pró do carnaval 2013 e que deixassem as questões pendentes para serem resolvidas após o desfile oficial das escolas de samba de Florianópolis.  Porém muito pouco ficou resolvido. Representantes do conselho irão formalizar para a (DE) os documentos os quais desejam obter maiores esclarecimentos.

Duas situações chamaram a atenção: Em frente a quadra da consulado, dois carros da Guarda Municipal faziam a proteção do local. Era visível armamentos de controle de multidão.
A outra situação que chamou a atenção foram faixas colocadas nas paredes externas da quadra pedindo a retirada do presidente.

Lá na Caeira o clima é tenso!

 

 

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

3 comments

  1. Uma vergonha o que ele fez e está fazendo com a escola.

    Pede pra sair que fica mais bonito.

    Escola sem garra, força, união, paz.

    Só vejo a bateria e harmonia se mexerem.

    O resto está sem dono, ou melhor, com dono, ou melhor, que se acha dono…

    No caeira ele já é o Judas… Parou o futebol do pessoal, parou com os ensaios…

    Fora Sasaburrão…

  2. Pena o ponto a que se chegou! Vergonha é a forma como a Consulado está sendo dirigida! Sempre alguém é o culpado por alguma coisa, menos quem realmente o é! Um dia fui “intimado” a não falar mal da escola. Nunca fiz isso, mas apenas coloquei o dedo na ferida chamada diretoria executiva. Ali sim, existe o problema. Mas sempre haverá alguém externo para levar a culpa pelo insucesso. Por respeito, não mais comentei nada, mas do jeito que a coisa anda não dá para ficar calado! O buraco é mais embaixo e vem coisa por aí!

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *