Conheça as ideias de Luciano Baracuhy, candidato à presidência da Coloninha

Luciano Baracuhy

Abrindo espaço para as ideias dos candidatos à presidência da Unidos da Coloninha, Na Avenida preparou 16 perguntas e encaminhou aos presidenciáveis. São questões que permitem a exposição de projetos e posicionamentos sobre o presente e o futuro da agremiação e do nosso carnaval. Obedecendo à ordem de recebimento das respostas, conforme informado aos candidatos, nosso primeiro entrevistado é Luciano Baracuhy,  da chapa Nova Coloninha, que tem Marcos da Cunha, o Bóca, como vice.

Na Avenida – Conte aos nossos leitores um pouco da sua trajetória no mundo do samba e especificamente na  Coloninha. Qual é sua principal motivação para ser presidente?
Luciano Baracuhy – Desfilo na Unidos da Coloninha desde 1989. Porém, sou torcedor da entidade desde 1985, primeira vez que assisti a escola na Avenida Paulo Fontes. Foi amor à primeira vista.  Em 2004, comecei meu trabalho na harmonia da escola. Em 2007, fui convidado pelo saudoso Mestre Dica para assumir a Vice-Presidência Jurídica, tendo ficado até o início de 2009. Ainda em 2009, assumi a Vice-Presidência Jurídica da LIESF. Em 2011, assumi a Vice-Presidência de Carnaval da Unidos da Coloninha. Minha maior motivação é a paixão que eu tenho pelo carnaval e a certeza de que pode ser feito um trabalho profissional que pode trazer muitos benefícios a nossa comunidade.

Na Avenida – As escolas de samba de Florianópolis não desfilaram em 2013. Como o(a) senhor(a) avalia o atual modelo de gestão do carnaval de Florianópolis e, caso vença a eleição, como pretende que a Coloninha atue junto à LIESF, Setur e demais órgãos competentes?
Luciano Baracuhy – Acho um grande absurdo o fato de não ter sido realizado o Desfile Oficial de 2013. Tenho certeza que a questão foi muito mal conduzida por todos os envolvidos. Entendo que o atual modelo de gestão está totalmente ultrapassado e tem que ser modificado. Tenho conversado com alguns presidentes das demais escolas e com o presidente da LIESF e eles me disseram que está para ser implantado um novo modelo. Assim que eu assumir vou apresentar uma proposta para que seja feito um novo modelo de gestão, com a profissionalização do carnaval e a independência da LIESF. A minha atuação junto à LIESF será no sentido de fortalece-la e de que seja realizado um trabalho de profissionalização do carnaval. Em relação aos demais órgãos, temos que ter um bom relacionamento e, principalmente, uma atuação responsável, cumprindo corretamente com as obrigações da entidade e buscando soluções para o carnaval.

Na Avenida – Nos últimos anos, a Coloninha tem passado por altos e baixos, seja na avenida, seja na política interna. Como o senhor pretende lidar com as diferentes correntes internas da escola?
Luciano Baracuhy – Assim como as demais entidades, a Unidos da Coloninha possui algumas correntes que não comungam do mesmo pensamento. Acho isso muito importante porque faz parte da democracia. O que não é interessante para a Coloninha é a exposição que se faz das discussões ocorridas dentro da entidade. Tudo que acontece na Coloninha se dá uma dimensão muito grande e acaba atrapalhando um pouco. A Escola vem amargando desde 1995 a falta de títulos. Em 2009 fomos campeões após a desclassificação da Consulado, mas acabou que não conseguimos comemorar na passarela.  Um dos grandes objetivos que tenho é fazer a Unidos da Coloninha figurar novamente como uma das grandes do carnaval. E, para isso, precisamos trabalhar muito os quesitos e implantar um novo modelo de gestão na entidade.

Na Avenida – Na sua opinião, quais são as principais qualidades e problemas de gestão da Unidos da Coloninha atualmente? O que deve ser mantido e o que deve ser mudado?
Luciano Baracuhy – Entendo que o maior problema é que as administrações das escolas de samba são feitas de maneira totalmente amadora. A Coloninha tem sofrido muito com a falta de profissionalismo.  Não se pode admitir que se contrate alguém para trabalhar como Diretor que não tenha aptidão alguma para o cargo. O que deve ser feito é a contratação de profissionais. Portanto, vamos ter muito trabalho, pois vou implantar um novo sistema de gestão, dando oportunidade para novos profissionais que queiram mostrar o seu valor. Temos que ter mais responsabilidade com o dinheiro público e aprender a buscar, através de projetos culturais, os recursos para prover as necessidades da entidade.  Acho que a parte positiva ainda é a garra que as pessoas possuem para trabalhar pela escola.

Na Avenida – Em muitos carnavais, a Coloninha preparou alegorias grandiosas que não puderam entrar na avenida por problemas mecânicos. Como impedir que isto volte a acontecer?
Luciano Baracuhy – Quando assumi como Vice-Presidente de Carnaval em 2011, contratei o Carnavalesco Beirão para trabalhar na escola. A primeira exigência que fiz foi que todos os carros alegóricos fossem confeccionados com muita responsabilidade. Contratamos um Engenheiro especialista em estruturas e os carros ficaram muito bem decorados, mas muito menores do que nos outros anos. É uma irresponsabilidade o que se faz no carnaval brasileiro. Deveria ser proibido qualquer alegoria entrar na avenida sem que fosse feita uma inspeção pelo Corpo de Bombeiros. A minha sugestão quando era Vice-Presidente Jurídico da LIESF era de que a Liga deveria contratar uma empresa de engenharia para fazer a inspeção dos carros alegóricos e exigisse os itens de segurança obrigatórios. Assim que assumir a escola vou mandar fazer uma revisão completa em todos os carros e contratar um Engenheiro para ser responsável pela supervisão dos trabalhos. Tenho certeza de que se todos trabalharem com responsabilidade o carnaval continuará sendo grandioso, mas de maneira segura.

Na Avenida – No carnaval de 2012, foi muito comentado o descontentamento da comunidade com a qualidade das fantasias confeccionadas no Rio de Janeiro. Entre outros problemas, algumas alas teriam sido recebidas incompletas. O senhor tomou conhecimento deste problema? Caso eleito, manterá a confecção das fantasias em ateliê fora do Estado?
Luciano Baracuhy – De fato ocorreram vários problemas na confecção das fantasias. A aposta foi equivocada e precisamos aprender com os erros cometidos. É preciso esclarecer que as fantasias foram feitas no Rio de Janeiro em razão dos atrasos nos repasses dos recursos. Mas, sou totalmente contrário e fiquei muito insatisfeito com o resultado. Sou um apaixonado pelo carnaval de Florianópolis. Entendo que temos que ter muita responsabilidade com o dinheiro empregado pela Prefeitura Municipal e pelo Governo do Estado. O objetivo dessa verba é a inclusão social e dar oportunidades de trabalho para os profissionais da Grande Florianópolis.  Por isso, entendo que os trabalhos devem ser realizados em Florianópolis, com a utilização de mão de obra local. É óbvio que Florianópolis carece muito de profissionais de qualidade na área de carnaval.Tanto é assim que praticamente todas as escolas contratam profissionais de Parintins, Rio de Janeiro, etc. Por isso, vamos implantar um projeto social com o objetivo de capacitar novos profissionais. Irei buscar parcerias para a criação dos projetos e já tenho mapeados os profissionais que irão trabalhar. O que não se pode é continuar trabalhando de maneira totalmente amadora, achando que se faz carnaval em 30 dias.

Na Avenida – O senhor já iniciou algum tipo de diálogo com profissionais para serem contratados (ou renovados) em seu possível mandato? Pode adiantar quem pretende trazer e quais funções devem ser mantidas?
Luciano Baracuhy – A Unidos da Coloninha terá uma Comissão de Carnaval que irá decidir os rumos do Carnaval 2014. Eu já tenho todos os nomes que irão compor a Comissão de Carnaval e estamos conversando sobre esses assuntos. O que é certo é que serão feitas as modificações necessárias para colocar a escola no rumo das vitórias. Iremos trabalhar cada quesito de maneira muito responsável e eficiente, com o objetivo de dar todo o suporte que o profissional necessita para tirar a nota 10. Faremos uma análise dos últimos desempenhos de cada quesito e conversaremos com todos os profissionais para melhorar seus desempenhos. E isso será feito logo após a eleição. Não posso adiantar nesse momento quais as funções que serão mantidas ou modificadas, mas posso dizer que, antes de qualquer coisa, será realizado um profundo estudo de cada caso.

Na Avenida – O enredo e o samba-enredo que desfilariam em 2013, em homenagem à Polícia Militar, serão mantidos para 2014?
Luciano Baracuhy – Não existe a obrigatoriedade de se manter o enredo. Vamos fazer uma avaliação com a Comissão de Carnaval, pois existe um material que não foi utilizado no último carnaval e que deve ser reaproveitado. Vai ser uma decisão conjunta da Comissão de Carnaval e o principal ponto a ser analisado é se esse enredo será capaz de nos dar a vitória no carnaval. Quanto ao samba enredo também faremos um estudo com o profissional que será contratado para gerenciar a parte musical da entidade e, se for necessário, será trocado. Como disse, o objetivo maior é a busca pela vitória. Não estamos atrelados a ninguém.

Na Avenida – Quais serão seus critérios para a nomeação da futura Diretoria?
Luciano Baracuhy – Como mencionei anteriormente, irei contratar pessoas capacitadas para cada área. Vamos valorizar novos profissionais que irão integrar a Diretoria Executiva da entidade. O objetivo é profissionalizar todos os setores da escola. Não podemos continuar a cometer os mesmos erros do passado.  Não posso contratar um aderecista para ser responsável pela área financeira e não posso contratar um contador para fazer um carro alegórico. Se quisermos ser grandes temos que levar a sério e contratar pessoas capacitadas.

Na Avenida – Um dos principais entraves do carnaval de Florianópolis é a dependência excessiva do poder público. Por outro lado, parcerias com a iniciativa privada correm o risco de se tornar alvo de chacota, como foi o caso do desfile panfletário da Porto da Pedra em 2012, exaltando o iogurte. Se o enredo sobre o iogurte fosse oferecido à Coloninha, você aceitaria?
Luciano Baracuhy – Achei o enredo do Iogurte muito fraco e um absurdo a maneira como foi planejado. Não aceitaria na Unidos da Coloninha. É uma pena que as escolas de samba tenham que se curvar à necessidade de fazer enredos patrocinados. Acho que existe uma saída para isso. Basta que se contrate profissionais para fazer a captação de recursos. Existem diversas empresas que fazem isso profissionalmente. Assim as entidades não dependeriam dos enredos patrocinados.

Na Avenida – De que maneira, então, é possível equilibrar essa balança?
Luciano Baracuhy – Não podemos cometer esse equívoco de partir para enredos patrocinados, sob pena de acabarmos com a cultura do carnaval. O objetivo do carnaval é divulgar a nossa cultura, a nossa tradição e temos que valorizar muito os enredos locais. A busca pelo patrocínio deve ser feita independente do enredo. Tenho certeza de que conseguiremos chegar a um equilíbrio na Unidos da Coloninha. A minha meta é criar uma comissão de captação de recursos na escola. Assim não dependeremos desse tipo de recurso.

Na Avenida – A sede da Rua Tupinambá é uma importante estrutura para a escola e uma referência para a comunidade. Que tipo de destinação pretender dar àquele espaço?
Luciano Baracuhy – Inicialmente, iremos trabalhar para recuperar a nossa sede. Serão realizadas algumas obras para modernização do nosso espaço. Temos que climatizar a sede e nos adequar as exigências da Prefeitura Municipal e do Corpo de Bombeiros. Um dos nossos principais objetivos é resgatar os nossos eventos, com a realização de parcerias. Vamos trazer shows nacionais, eventos de qualidade e trazer de volta a melhor roda de samba da cidade, onde as pessoas possam se divertir com seus familiares e amigos com muita segurança. Temos algumas surpresas que serão anunciadas após a eleição.

Na Avenida – A Bateria Swing do Continente é um dos principais orgulhos da comunidade. Se eleito, pretende manter a atual direção de bateria? A estrutura oferecida para os ensaios é adequada?
Luciano Baracuhy –Temos, sem dúvida , uma das melhores baterias da cidade e o objetivo é manter o Mestre Dú. É preciso que sejam feitas algumas alterações, mas, como disse, levaremos em conta o desempenho dos quesitos e a Comissão de Carnaval irá tomar as decisões. Estamos estudando uma grande mudança na realização dos ensaios. Queremos um ensaio show. Além disso, serão realizados vários ensaios técnicos com a participação da nossa comunidade. Isso somente será divulgado quando tivermos prontos os estudos que serão feitos e as necessárias autorizações do poder público.  Atualmente, o nosso sistema de ensaios é feito de maneira precária e sem qualquer preocupação com a segurança e o conforto do público amante do carnaval.

Na Avenida – Como o senhor avalia os concursos de samba da escola nos últimos anos? Pretende realizar alguma modificação em seu formato?
Luciano Baracuhy – Em 2011, realizamos um grande concurso de samba enredo, tendo sido realizado num formato muito interessante e justo. A Unidos da Coloninha é a escola que mais proporciona oportunidades aos compositores locais. Acontece que, nos últimos anos, ocorreram alguns desentendimentos. Isso não será mais tolerado. Iremos abrir o concurso para vários compositores e o objetivo é conseguir um samba enredo que seja nota 10 na avenida. Portanto, não ficaremos atrelados às vaidades. Quem não souber se comportar será proibido de participar dos concursos. Se os compositores não souberem se respeitar faremos as mudanças necessárias. Mas tenho certeza que o atual sistema da Unidos da Coloninha, com a participação da comunidade na quadra, é muito eficiente e o que mais agrada a todos.

Na Avenida – Em todas as escolas de samba de Florianópolis, há um clamor silencioso por renovação. Como promover a integração entre diferentes gerações e fomentar o surgimento de novos talentos na Unidos da Coloninha?
Luciano Baracuhy – O nome da minha chapa se chama NOVA COLONINHA. O nome sugere mudança. Acho que sou uma alternativa ao sistema que vem se desenvolvendo na Coloninha há vários anos. Mas isso não quer dizer que quem está lá não presta mais. Temos que fazer as mudanças necessárias e manter o que está correto. Existem grandes baluartes da Coloninha que se afastaram em razões de problemas de desentendimento.  Vamos trazer de volta os principais nomes, pessoas que ainda tem muito para dar ao nosso carnaval. O nosso maior objetivo é agregar novos valores aos que lá já estão.

Na Avenida – Pedimos que deixe uma mensagem final para os eleitores da S.R.C. Unidos da Coloninha e para a comunidade do samba, aproveitando para uma última pergunta: qual será o diferencial da Coloninha em sua gestão?
Luciano Baracuhy – Vamos fazer a Comunidade e os torcedores da Unidos da Coloninha voltarem a ter orgulho de vestir a nossa camisa. Vamos fazê-los voltar a ter orgulho de entrar na nossa quadra e cantar o nosso samba. Vou lutar todos os dias para fazer a Unidos da Coloninha voltar a ser CAMPEÃ do nosso carnaval, sempre respeitando as nossas co-irmãs. Além disso, nós vamos buscar sanear as dívidas da escola e modernizar a nossa sede.

Para conferir a entrevista de Júlio Martins, da chapa Modernidade e Transparência, clique aqui.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

2 comments

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *