Floripa – Leia a análise dos sambas de enredo florianopolitanos realizada pelo jornalista e escritor Fábio Fabato

fabio fabato galeria do samba
Fábio Fabato (centro) ao lado dos Carnavalescos do Salgueiro e da São Clemente Renato Lage e Rosa Magalhães – Crédito: Galeria do Samba

O site Na Avenida publica agora a análise da safra dos sambas de enredos florianopolitanos realizada pelo renomado jornalista e escritor carioca Fábio Fabato.

Como se sabe, Fábio é comentarista da TV Brasil e autor de livros consagrados a Folia Carioca, tais como “Pra tudo se acabar na quinta-feira” e “As titias da folia: o brilho maduro das escolas de samba de alta idade”

Desde já, o site Na Avenida agradece este baluarte do Carnaval Brasileiro pela sua valorosa contribuição a Folia Florianopolitana.

Sem mais delongas, leia a análise de cada samba do grupo especial:

Nome da Escola: Unidos da Coloninha
Enredo: A Coluninha teve uma ideia brilhante – Salve todos os inventores e suas ideias geniais (Autores: Duda Neto e Camila Luz)
Colocação Carnaval 2016: Campeã do grupo especial
Nota: 9,8

Justificativa:

O enredo, muito criativo, remonta, de certa forma, o carnaval campeão da carioca Mocidade Independente, de 1996, “Criador e Criatura”, que trata do ímpeto de criação da dita “criatura”, o bicho-homem.

O samba é bom e deixa bem explícita a proposta temática, mas há alguns pecados em matéria de letra (rimas não tão inspiradas e associações e encadeamentos de versos que mereciam um pouco mais de elaboração). A palavra Coloninha, nome da escola, aparece no refrão principal com melodia que se assemelha demais ao clássico “Colombina, lê, lê, lê”, famosa canção entoada nos bailes carnavalescos cariocas.

Nome da Escola: Protegidos da Princesa
Enredo: Arapaço – O mito do povo cobra (Autor: Willian Tadeu)
Colocação Carnaval 2016: Vice-campeã do Grupo Especial
Nota: 10

Justificativa:

O tema é fabuloso – um autêntico enredo mesmo de carnaval, que instiga, abre frentes, dialoga com o improvável e mexe com a imaginação de quem o descobre. O samba segue os passos dessa proposta, na esteira de letra muitíssimo inspirada, que, aliás, numa perspectiva geral (salvo discretos descompassos aqui e acolá, que não representam problemas de verdade) conversa muito bem com a letra. Um grande samba, absolutamente digno de nota máxima.

Nome da Escola: Embaixada Copa Lord
Enredo: Eu sou filho do Batuque – Neto do Aba-Kotô –  (Autor: Edu Aguiar)
Colocação Carnaval 2016: 3. Lugar Grupo Especial
Nota: 10

Justificativa:

O samba é envolvente, com letra e melodia absolutamente simples e sofisticadas, delineando a plena síncope necessária a este gênero. O refrão de cabeça é modelar para que exemplifiquemos como música e poesia devem “conversar” numa obra desta natureza. Faço uma ressalva com relação ao fato de que reedições de enredo, a meu ver, em longo prazo, retiram o espírito criativo de vários setores de uma agremiação. Não considero que deva ser uma prática a ser repetida mais vezes, inda mais em sequência…

Nome da Escola: Dascuia
Enredo: “O preço da ilusão” (Autor: Paulinho Trindade)
Colocação Carnaval 2016: 4. Lugar Grupo Especial
Nota: 9,7

Justificativa:

Num ano de grandes enredos, este aqui figura como dos melhores. Absolutamente necessário pinçar uma história cultural e, digamos, improvável e lendária do nosso cinema, sobretudo com o estado de Santa Catarina na posição de protagonista. O samba exprime com valor a proposta temática, mas não chega a ser brilhante como a teoria. Alguns versos escorregam em soluções que poderiam ser mais bem elaboradas (sobretudo a saída para o refrão de centro, além do arrematar final deste estribilho), e a obra acaba no meio do caminho entre a descrição pura e simples e a utilização de símbolos expressivos.

Nome da Escola: Nação Guarani
Enredo: Sou Guarani…Sou Nação… É o mito da Criação nos montes de Areguá (Autores: André Filosofia e Márcio Schitz)
Colocação Carnaval 2016: 5. Lugar – grupo especial
Nota: 9,8

Justificativa:

Um monumental e necessário enredo, enamorado com o próprio nome da escola, e que representa um tipo de temática dotada de brasilidade (infelizmente, não ensinada em salas de aula) e que tem justamente no carnaval (que bom!) sua forma de expansão e disseminação.

O samba apresenta bela melodia em todo o corpo da obra, lirismo e vigor corretamente salpicados – o que confere um resultado balanceado e prazeroso ao ouvinte –, mas a receita não é seguida na letra, que acaba por exprimir apenas “por alto” o enredo, sobretudo na primeira parte.

Nome da Escola: Consulado
Enredo: Mô querido – Aqui é o meu lugar (Autor: Raphael Soares)
Colocação Carnaval 2016: Campeã do Grupo de Acesso
Nota: 9,9

 

Justificativa:

Um samba de auto-homenagem geográfica e à própria escola, com bastante vigor, e que apresenta de forma muito clara a proposta de exaltação do enredo. A emoção está na medida, sem resvalar em qualquer nota de pieguice, e nota-se a carpintaria bem resolvida por parte dos compositores para sintetizar um texto de enredo tão completo.

A meu ver, apenas o refrão de cabeça destoa um pouco do conjunto da obra, na carona de uma construção de rimas e melodia que pedia mesmo nível de elaboração que formou as outras partes, o que acaba por não ocorrer.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *