Floripa – Veja a análise dos Enredos 2017 por Sandro Roberto – Parte 2

 

nacao

Como se sabe, o colunista do site Sandro Roberto realizou mês passado a primeira análise sobre os enredos do grupo especial do Carnaval Florianopolitano 2017.

Agora ele se propõe a dissecar mais duas agremiações do grupo especial: Nação Guarani e Embaixada Copa Lord.

Boa leitura!

“Retomando as primeiras impressões acerca dos enredos das escolas de samba do Grupo Especial de Florianópolis, nesta segunda parte os enredos a serem refletidos serão da Nação Guarani e Embaixada Copa Lord, terceira e quarta agremiações a desfilarem na Passarela Nego Quirido, respectivamente.

A caçula do carnaval de Florianópolis, representante da cidade de Palhoça, pisará na passarela para contar ‘Guarani sou teu povo… Sou Nação… É o mito da criação, nas colinas do Areguá’, de autoria de André Filosofia, que é compositor e colaborador do ‘Na Avenida’ e Márcio Shitz, presidente da agremiação, com passagens pelas escolas de samba da capital.

A proposta da agremiação de Palhoça é detalhar a origem do universo na versão mitológica guarani, numa viagem que transcende a história escrita, uma vez que a tradição oral é mais detalhista passando de geração em geração.

Novamente reforço meu apreço por enredos históricos e percebo na proposta que teremos muitas informações além daquilo que os bancos escolares ensinam e para nós, que temos a cultura indígena inserida no dia-a-dia, vale à pena um olhar mais atencioso para aquilo que a Escola de Samba Nação Guarani apresentará de acordo com a proposta.

Penso que a agremiação foi feliz na escolha do tema e faço questão de registrar que, antes mesmo de estar colaborando com este canal, já tinha me manifestado acerca do tema, declarando que ‘já era disparado o melhor enredo’, no que se refere à proposta. Sempre lembrando que se trata de primeiras impressões.

A quarta escola de samba a desfilar na Passarela do Samba Nego Quirido é a tradicional Embaixada Copa Lord que reeditará o enredo campeão de 1996 ‘Sou filho do batuque, neto do abatá-kotô’ de autoria de Edu Aguiar, renomado temista do carnaval da cidade e colaborador do ‘Na avenida’.

Pessoalmente, ratifico, pessoalmente não sou muito favorável a reedições de enredos, pois penso que existem “n” possibilidade de enredos e muita gente com ideias fantásticas. É, pois, uma opinião particular! Não se trata de crítica ao enredo, mas acerca da reedição propriamente dita, que pode macular um brilho já conquistado na década de 1990. Se é para uma escola de samba investir, que seja em novidades. Entretanto, Copa Lord é Copa Lord e no Morro da Caixa ‘tira-se leite de pedra’.

Neste sentido, não há que se falar em ‘primeiras impressões’, uma vez que a história já é conhecida pelo mundo do samba de Florianópolis. No entanto, isso não tira a beleza da temática e seu respectivo conteúdo e a expectativa já parte direto para o desfile, pois o tema ainda abre um leque enorme para novos aspectos a serem explorados.

O enredo da Copa Lord é um misto de ficção com personagens históricos e essa mistura deu certo para se contar uma bela história, que resgatou a cultura negra no Brasil.

Lembro que em 1996, a Copa Lord “sobrou” na passarela e todos já tinham a certeza de que levaria o título.

Uma oportunidade para se mostrar para as novas gerações a história campeã da Amarelo, Vermelho e Branco”.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

One comment

  1. Sandro Roberto, concordo contigo em gênero ,numero e grau, pois no meu entender reeditar enredo é uma tremenda bobagem.Esse tipo de coisa mostra falta de gestão e comodismo. Esse enredo valeu para um determinado momento, pois enaltecia datas significativas : 40 anos de fundação da Escola de Samba Embaixada Copa Lord e a comemoração de 300 anos da morte de Zumbi, ai tudo contribuía para um grande e belo carnaval. A prova é que a Escola de Samba Embaixada Copa Lord foi a campeã.

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *