Pinceladas da semana

Jorge Lautert e Raphaela Perrut

Hoje as pinceladas da semana vem diferentes. Não gosto de fazer isto, mas sou obrigado a usar de um espaço sério para comentar dois assuntos que vem mexendo com minha cabeça. O primeiro é um projeto de carnaval que PODERÁ surgir do grupo de acesso. O segundo assunto é para defender a integridade moral da minha família.

Projetos 2014. Sim, projetos no plural. Já escuto, e não é de agora, que algumas escolas de samba do grupo de acesso vem planejando ter uma segunda carta na manga, caso o Projeto Oficial do Carnaval 2014 executado pela LIESF, que já era pra ter sido ao menos finalizado, não dê o resultado esperado. Pelas minhas conversas, a possibilidade de haver um projeto mais simples, com números menos audaciosos para suprir as necessidades do grupo de acesso, surge nos bastidores. Como será organizado? quando? por quem? são perguntas ainda não respondidas. O que se sabe é que a maioria dos presidentes do grupo de acesso estão de “saco cheio” com a falta de informação concreta dos dados do projeto, assim como a não filiação até o momento das escolas.

A Super Liga existe no momento somente para a imprensa. Os presidentes reclamam da demora do processo de filiação e por não estarem legalmente filiados, estão sendo limitados os acessos às informações. O que mais preocupa os presidentes do grupo de acesso, é que o nome das escolas estão sendo utilizados para elaborar o projeto, sem ao menos ter noção de valores, porcentagens ou como esta realmente sendo planejado a execução do mesmo.

“O pavio esta curto”. É interessante que o presidente da Liga das escolas de Samba, Zeca Machado, reúna o povo e fale algo concreto antes que o projeto tenha que ser reeditado sem nem estar pronto.

Desabafo Particular – Quem me conhece sabe que sou uma pessoa séria, porém, descontraído. Tenho amigos em todas as agremiações e me orgulho por não ter desavenças. Sempre pratiquei o dom da diplomacia e levo isso em minha vida como uma virtude. Posso ser invocado em algumas vezes, mas peço que surja alguém que diga publicamente que já me viu brigar. Sou pacifico e sei que o poder da palavra dói muito mais que um “soco nas ventas”. Mas de uma coisa é certa, não tenho sangue de barata, possuo uma família e exijo respeito.

Usar meu nome em redes sociais ou de minha família, denegrindo nossa reputação e em seguida apagar para que o caso não embrome mais, não é ato de Homem. Quando eu erro, eu corrijo meu erro publicamente. Se nos falta moral para corrigir os atos errôneos do nosso conviver, não merecemos respeito. Faltaram com respeito, comigo (Jorge Simões Lautert) e com minha esposa (Raphaela Perrut) em rede social. Mesmo que por poucos minutos, quem viu, entendeu, quem não viu, teve a sorte de não presenciar ato lamentável. Mas compreendam uma coisa: Palavras são que nem pedras, depois de lançadas, não voltam mais. O pior é que nem sempre atingimos aquilo que gostaríamos de atingir.

*PS: Continuo não tendo inimigos… mas perdi um amigo. E que se possível, não quero ver “pintado de ouro” na minha frente, muito menos, de verde azul e branco.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

3 comments

  1. Amigo Jorge e amiga Raphaela.
    Não sei o que ouve e sinceramente nem quero saber.
    O que tenho a dizer à vocês é que a vida me ensinou que não vale a pena esquentar a cabeça com pessoas que não nos trazem bons fluidos.
    Vocês não merecem ser ofendidos, muito menos por gente que não tem a coragem de aparecer.
    Apesar do pouco tempo que nos conhecemos, sei que vocês são uns batalhadores do dia dia e grandes defensores da nossa cultura popular “O Carnaval”.
    Tenham sempre em mim um amigo!!!
    Abraços!!
    Tamo junto!!!!

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *