Porto Alegre – Renomado compositor florianopolitano Willian Tadeu afirma: “Nosso samba da Gravataí não irá pra avenida”

willian tadeu

Crédito da Foto: Rádio Gáucha no Carnaval – Parceria do samba antológico da Gravataí de 2014

O renomado compositor, temista e artista florianopolitano Willian Tadeu declarou em sua rede social que o samba que sua parceria fez para a Gravataí 2018 não irá mais para a avenida.

Leia na íntegra a declaração:

“Tomados por um misto de tristeza e indignação, decidimos divulgar este samba. Não queremos tumultuar ou causar polêmicas no Carnaval 2018, embora isto seja uma consequência inevitável. Porém, não podemos esconder atrás do biombo heroico das dificuldades quem nos desrespeitou. A atitude de Acadêmicos de Gravataí com seus compositores é contraditória com a mensagem de respeito e celebração da cultura proposta em seu enredo.

Fomos procurados pela agremiação em setembro. Diante do cenário de incertezas do carnaval, a escola não poderia realizar concurso de samba e resolveu encomendar a composição aos autores de uma das obras de maior sucesso de seu repertório (de 2014, sobre Parintins). Honrados e motivados com esta possibilidade de reencontro, recebemos na casa de um dos compositores, em Florianópolis, um representante da escola, que nos explicou o enredo, entregou a sinopse e celebrou a parceria conosco. Cientes do momento de perseguição vivido pelas escolas de samba por todo o país, não acertamos qualquer valor. Queríamos fazer voluntariamente. Era a nossa contribuição possível para a nossa cultura popular.

Compusemos o samba. Ficamos extremamente comovidos com o resultado artístico obtido. A obra é diferenciada, marcante, foge de padrões e transmite com poesia e uma forte relação texto-música a mensagem proposta. É crítica social, é contestação, é muito do que precisa ser dito sobre os dias atuais. Embora tenhamos consultado na reunião em Florianópolis sobre os limites artísticos de formato e estilo e tenha sido dada total liberdade, a recepção não foi a esperada. Mudanças foram solicitadas e feitas, ainda que contra a nossa vontade, pois as solicitações careciam de maior embasamento artístico e sensibilidade poética.

O samba que nos foi encomendado nunca foi testado, sentido no pulsar da bateria, adequado ao carro de som, arranjado, gravado, passado para o tom do cantor da escola. Nada disso. Na gravação caseira que nos foi solicitada, mansinha, demonstrando com suavidade as nuances do samba, se encerrou o universo de possibilidades de uma obra, como se não houvesse um trabalho cuidadoso por trás dela. Como se nosso trabalho fosse digno de desprezo.

Não somos amadores. Não estamos brincando e fazendo um samba pela primeira vez. Temos mais de 10 anos de trajetória vitoriosa por diversas cidades do país. Samba-enredo não é resumo de sinopse, é uma interpretação sobre ela, transmitindo a mensagem de maneira que permita ao componente sentir o enredo e com ele se identificar. Não se compõe um bom samba-enredo utilizando as mesmas palavras da sinopse, selecionando frases ou dizendo explícita e objetivamente o que se quer dizer. Samba-enredo é poesia. Samba-enredo é sentimento. Samba-enredo é arte. É nisto que acreditamos – e a escola sempre soube, até porque conhece nosso trabalho de longa data.

Hoje, após um longo silêncio, fomos surpreendidos em um grupo de WhatsApp pelo áudio do samba que irá para a avenida. A escola sequer nos tratou com a dignidade de informar que estava descartando nosso samba. Respeitamos o trabalho dos compositores da obra que irá para a avenida – que sequer sabemos quem são – e deixamos claro que eles nada têm a ver com isto. Não estamos propondo uma comparação de trabalhos, mas não é justo deixarmos morrer um samba que amamos sem compartilhar com os amigos. Estamos apenas divulgando um samba que tem muito daquilo em que acreditamos e que transmite uma mensagem com a força que consideramos necessária para o Brasil de hoje e para a arte do samba-enredo.

Após decepção anterior, demos um voto de confiança à Acadêmicos De Gravataí. Tolo arrependimento! Com um capítulo triste, encerra-se nossa relação”.

Agora veja o samba enredo composto pela parceria assinada por Conrado Laurindo, Willian Tadeu, Fred Inspiração e Ricardo Abraham

A minha história é feita de sacrifício
E já é dever de ofício eu sorrir sentindo dor
Ouço o tambor que evoca todo o quilombo
Eu envergo, mas não tombo, é maior o meu valor
Diante da Casa Grande que impede de ir avante
Nenhum terreiro irá se curvar
Ubuntu é minha crença, beleza na diferença
Axé, meu orixá!

ORIBÁ! Ô HÊ HYÁ!
SE O SANGUE BANHA A MATA, LIBERDADE VAI BROTAR
MARACÁ VAI NO COMPASSO DA BATIDA DA ENXADA
PASSARINHO ENTOA CANTO NUMA LINDA REVOADA:
“ESTA TERRA JÁ TEM DONO E JAMAIS SERÁ GRILADA!”

Um grito ecoa em minha ideia
E, na plateia, o silêncio é ensurdecedor
Quando um cortejo de meretrizes passa
Os pedintes sem mordaça ante a fúria do opressor
Que já não pode acorrentar nosso bonde
Com rainhas tão “pintosas”, onde o cinza ganha cor
“Junto e misturado”, salve o popular!
Fazendo da avenida seu altar
Evoé! A rua é nossa!
Não adianta se esconder
Somos plebeus sem palácios nem reis
Se você duvidou… “ó nóis aqui traveiz!”

LÁ VEM GRAVATAÍ
LÁ VEM A MULTIDÃO
UNINDO O SAMBA NUMA LINDA PROCISSÃO

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *