Resenha: CD Sambas de Enredo 2013 – RJ

Certa vez, li o debate do júri do Estandarte de Ouro de 1981. Decretava-se ali o fim do samba-enredo. O pessimismo era geral, diante de uma safra que tinha clássicos como Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite (Portela) e O teu cabelo não nega – só dá Lalá (Imperatriz), entre outros belos sambas. O fato é que nos tornamos menos severos ao avaliar sambas do passado. Percebo-me mais simpático hoje a sambas que detestei na época de seu lançamento. Porém, como aqueles debatedores de 1981, sou um homem de meu tempo e é com a percepção atual, que tende à exigência excessiva e à exacerbação da crítica, que comentarei o CD Sambas de Enredo 2013.

A produção não apresenta grandes novidades. Como acontece desde 2010, há a tentativa de emular um clima de apresentação “ao vivo”, com gravações das baterias e grandes corais. Porém, alguns intérpretes insistem em atuar como nos CDs anteriores a 2009 e algumas escolas escalam vários cantores para fazerem jograis patéticos, o que causa um choque estético e dificulta o clímax. Apesar dessas dificuldades, o álbum atinge seus objetivos e apresenta grande avanço no entendimento das letras dos sambas, que era problemático nos anos anteriores.

Se na capa a Unidos da Tijuca brilha em uma foto de muito bom gosto, sua faixa não se destaca. A atual campeã convida a uma viagem confusa pela Alemanha com um samba que, nos dois primeiros versos (Deus Thor me chamou, vou nessa viagem / que felicidade, é festa, meu bem!) já trazem o caminho melódico que se alastra pelo CD como uma praga. Aliás, após aumentar a diversidade artística a cada safra nos últimos anos, a safra de 2013 decepciona por ser extremamente repetitiva. Os compositores parecem considerar a melodia mero enfeite do samba. Se as frases melódicas transmitem uma mensagem, poderíamos supor que os refrões de meio de Beija-Flor, Salgueiro, Mangueira, Mocidade, Imperatriz e São Clemente falam coisas bem semelhantes, embora não sejam iguais.

Xande de Pilares perdeu a disputa de samba do Salgueiro. Esgotada a possibilidade de manchar a história da escola com um samba horroroso – em vez disso, a Academia apresenta uma obra de letra inteligente e melodia com passagens ousadas -, alguém teve a “brilhante” ideia: por que não colocar o pagodeiro do Revelação – excelente em seu gênero, sejamos justos! – declamando letras de pagode ao longo da faixa? Eis que o samba do Salgueiro, escola de Fernando Pamplona, Almir Guineto, Bala, Zuzuca, Quinho, Rico Medeiros, Noel Rosa de Oliveira, o Salgueiro de tantos baluartes, é anunciado por “É deus quem aponta a estrela que tem que brilhar” e, mais adiante, “Deixa acontecer naturalmente”. Como tudo que é ruim pode piorar, Xande também foi convocado para dar uma palhinha no CD. O bom samba salgueirense não merecia ser profanado desta forma!

Quando Xande fecha a boca, o CD caminha rumo ao brilhantismo. A Vila Isabel – que deveria abrir o álbum, pois fez o melhor desfile de 2012 – apresenta um samba que nasceu para se tornar clássico. O enredo sobre o homem do campo inspirou a composição de mais um grande samba da Vila, que leva o ouvinte a viver um dia no campo, com o galo cantando ao alvorecer, o sino da igrejinha, o trabalho árduo, o almoço com o compadre, as procissões e outras preciosidades. Algumas linhas não bastam para este samba, ao qual dedicarei uma edição da coluna Samba de Domingo em breve.

Para rivalizar com Xande de Pilares, a Beija-Flor traz um cavalo mangalarga relinchando. A diferença é que podemos ter certeza que o cavalo, por se tratar de ser irracional, não sabia o que estava fazendo. Embora o recurso de compor o samba em primeira pessoa (quando o eu-lírico pratica a ação) gere algumas situações inusitadas, como a afirmação “sou mangalarga marchador”, a competência dos compositores em versar sobre tema tão difícil gerou um samba agradável, com passagens bonitas, algumas rimas ousadas e construções poéticas novas. Outro enredo difícil, os royalties do petróleo são tema de uma marchinha agradável dos Acadêmicos do Grande Rio.

A Portela tenta repetir o sucesso do samba inovador de 2012, com mais uma obra que remete a sambas de roda, sem soar retrô ou ter cheiro de mofo: é algo novo; não é um resgate do passado, mas uma proposta para o futuro! A Mangueira apresenta um pouco mais de uma fórmula de samba que usa há mais de 10 anos e talvez esteja esgotada, enquanto a União da Ilha do Governador canta Vinícius de Moraes com um samba sutil, leve, com forte apelo emocional.

De sambas sobre o Rock in Rio e as novelas da Globo, enredos de Mocidade Independente e São Clemente, respectivamente, não se deve esperar muita coisa. E, para frustração de seus torcedores, as escolas atenderam a essa baixa expectativa. Estreante no Grupo Especial, a Inocentes de Belford Roxo fecha o CD e, se depender do samba, pode sonhar com a permanência na elite do carnaval. A escola cantará a Coréia do Sul com uma melodia doce e letra bem construída. Não entra para a galeria de grandes composições do carnaval carioca, mas cumpre seu papel com bom gosto.

No meio disso tudo, há a Imperatriz Leopoldinense, com uma obra densa, porém bela, entoada por ninguém menos que Dominguinhos do Estácio e Wander Pires (este que, curiosamente, foi intérprete da Mocidade quando as duas escolas brigavam pela hegemonia na década de 1990). Após o refrão do meio, traz uma sequência de versos inovadora, com imagens poéticas belíssimas e uma melodia que é um maravilhoso sopro de novidade em meio à monotonia geral. Se o refrão principal é extremamente burocrático, o restante é envolvente a cada verso. Ao ouvir mais um belo samba da melhor Ala de Compositores do Rio de Janeiro e ver os belíssimos protótipos de fantasias apresentados pelo carnavalesco Cahê Rodrigues, os leopoldinenses, como eu, podem voltar a sonhar.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

8 comments

  1. Willian, primeiramente parabéns pelo seu sucesso junto aos seus parceiros do Samba, uma pena tê-lo perdido juntamente com o Conrado na Consulado, naquele fatidico concurso para o carnaval 2008 (Grécia) . SOu um amante do samba enredo como você (nem tanto como você), estudo (nem tanto como você), leio muito e acompanho toda construção dos sambas, desde a divulgação do Enredo, sinopse e os concursos de samba em si. Gostei dos seus comentários acerca dos sambas. A Samba da Vila de Noel Rosa, Martinho etc. (minha escola de coração no RJ), é demais, no leva a uma viagem gostosa. Gostei muito do samba da Beija-FLor também, samba típico deles, naquela mesma levada do começo ao fim. O samba da Portela, apesar de estar sendo muito bem falado no Rio, orgulhando o povo de Madureira, nao aguento mais ouvir capoeira, ai ai oi oi, abre a roda, etc. Achei que o samba da ILha com o Ito cresceu muito, e com o enredo que vai levar, torço que desfile no sábado das campeãs. Concordo contigo quanto a Grande Rio. POr fim, fico honrado de ter tido a mesma impressão quanto ao samba da Imperatriz, mesmo parecendo um samba arrastado, é um belo samba, linda letra e com o Wander Pires e o DOminguinhos, é aquele plus, a cereja do bolo. Em tempo, Imperatriz 2008 foi um dos meus sambas preferidos desses do século XXI! Grande Abraço!

    1. Bom Os Enredos Estão Bons Na Minha Opinião Algumas Escolas Irão Levar o Que Sempre Mostra e Algumas Irão Se Surpreender No Caso Da Mocidade Acho Que Terá Umas Novidades SIM Pois Falar Do Rock In Rio Não e Facil Homenagiar Um Grande Espetaculo Que Praticamente Se Tem Quase Que No Mundo Todo Acho Que Comparar Horario Nobre Com Rock In Rio SÃO COISAS BEM DIFERENTES O Horario Nobre Talvez Não Deve Mesmo Esperar Muita Coisa Mais a Mocidade Irá Sim Tem Suas Inovações, Terá Umas Surpresas Posso Dizer Que Uma Outra Escola Que Não Tem Um Enredo Igualavel Com o Da Mocidade e a Grande Rio Pois O Samba Posso Dizer Que Foi Bastante Criticado o Dela e o Da Ilha Do Governador o Da Mocidade Juntando Os Dois Foi Mais Elogiado Bom Claro a Mocidade Não Tem o Melhor Enredo Mais Posso Dizer o Pior Não e o Dela Sejam Sinceros Não Julguem A Escola Porque Ela Não Volta Nas Campeãs e Quase Luta Pra Não Cair NÃO JULGUEM SEJAM SINCEROS E VERDADEIROS Não Defendam e Não ESCONDEM Escolas Que Cujam Estão Com Enredo Pior Que o Da Mocidade Sejam Sinceros Enredo De Cavalo, Petroleo, Fama, e Alemanha DEUS THOR Sejam Sinceros e Não Escondem Os Podres Das Outras Escolas OS ENREDOS RUINS NÃO SÓ JULGUEM UMA JULGUEM SINCERAMENTE E VERDADEIRAMENTE TODAS AS ESCOLAS

  2. Venho aqui para apoiar o enredo internacional da Mocidade.Não é um enredo imaginario mais criativo, pois o rock roll está na boca do povo em muitas gerações e até hoje todas as idades curtem esse espetaculo de musica som metal. O rock é tradição universal cultuado mundialmente, quem não gosta de rock in rio, uma plateia imensa de admiradores e fãs, porque não empolgar com esse enredo que tem um extenso conteudo histórico. Qeumnunca ouviu um rock e nãose esbandou em dançar e se remexer e se envolver com esse ritimo alucinante. Que nunca participoou de um festival de rock e não colocou as linguas pra fora como faz o Kisme ou Kiss…. O rock tem riqueza de Elvis Presley e a leveza de celly Campello que brilhou nos palcos do meu Rio de Janeiro, com Estupido Cupido. Temos também Os mutantes de onde veio a nossa roqueira Rita Lee, fantástica cantora de Rock aplaudida por todas as idades. Melhor que isso só o samba e o futebol se misturar com o rock e ver o que vai dar na avenida, uma explosão de cores e som, acredito que A Mocidade vai apresentar divinamente inspirada por um belissimo enredo e até o samba que parece fraco pelos criticos na avenida vai emolgar se lembram do samba enredo ah vira virou vira virou a Mocidade Chegou…. arrebentou em 1990 e deu campeonato pra escola era o samba mais criticado dito como o mais fraco e de pessima letra e deu no que deu levou a escola para apoteose quase arrebatada pelo publico que gritava lá desde a concentração é campeã é campeã e foi assim ate a chegada na apoteose, pena que não retoranram como a Mangueria em 1984, merecia que a Mocidade repetisse a dose.

  3. Se samba enredo ganhasse carfnaval a Mocidade não tinha sido prejudicada com a Festa de Divino de 1974 sem defeitos, só os jurados que colocaram defeitos na harmonia e nas fantasias porque os sapatos da bateria tinham sindo pintados, uma desculpa para não destronar o rei da frança na ilha do maranhão de Joazinho trinta. Mais carnaval se faz com inovações, novidades, samba atual e moderno que intereage com o publico, que balança a arquibancada que passa como um pancadão delirante. Mais ninguem consegue mais derrubar a Tijuca, uma escola moderna e inteligente um show busines, um espetaculo a parte, sem igual, nehuma escola consegue imitar as suas alegorias, fantasias, figurinos lindissimos, um carnaval contagiante e alegre. Nem precisa de um samba melodico basta levar o nome da Unido da Tijuca que já escolhido pelo povo como o melhor, o povo que gosta, o povo que acha, o povo que elege, e assim a tijica vai ampliando o seu placar de vitorias e coleções de trofeus com Paulo Barros o melhor carnavalesco da atualidade, quem quiser superá-lo que corra atrás traga um melhor espetaculo e surpresa na avenida, acho que até hoje nionguem superou o enredo que falava é supresa, que até a fatnasia da porta bandeira toda hora mudava de cor e as fantasias superluxuosas e as alegorias, super riquissimas alegorias, e o samba e a comissão de frente, ningume se esquece jamais ate hoje não vi nada que se comaprec aquele desfile de 2010, fantasticamente divino e lindo parabéns.

  4. o samba enredo de uma nota só tem que acabar vamos partir e construir um samba mais inteligente, que contagie o povo, que faça o povo brincar e vibrar, chega de monotomia de sempre, é preciso mudar a forma do bolo, construindo um samba mais leve e que interage com o publico, pois o povão quer se divertir e precisa ouvir um samba animado que toca o coração. O tempo do oi capoeira, já passou do oba oba já passou , precisamos conversar com nossas alas de compositores e tentar mudar alguma coisa precisamos acompanhar a evolução do samba, ele não pode ser cansativo, arrastado, desanimado, tem que ser ainda do jeitinho do samba enredo da Em Cima da Hora que falava abertamente e pratico assim : “È Praça Onze, é Pierot , é Colombina, Arlequim e Serpentina, Tia Ciata a sambar. (bis) No carnaval,moderno e de outrora, personagens marcantes, demonstramos agora. Compositores e cantores, reconheceram os seuas valores, Zé Pereira com seu bumbo original e o Rei Momo comandando o pessoal, Vilma porta bandeira, quanta alegria ver no carnaval. As escolas de samba são a grande atração os blocos de sujos arrastando a multidão.

  5. Pra falar de manga larga a Beija flor vai ter que se debruçar em suas pesquisas e obejtos historicos e pelo tente fazer bonito como fez a
    Estácio quando falou dos bois, touros e vacas, em epócas passadas, fez um belissimo enredo mais nãome lembro se foi rebaixada ou só não ganhou por pontos, tanto tempo que nem me lembro mais achor que ficou foi em quinto lugar, e assim a Beija Flor deverá fazer tambem rebuscar na hsitoricidade, acontecimentos que possam fascinar com muito luxo e esplendo a Sapacuaí, vale a pena tentar um enrredo desse pode até dar certo, tambem com uma equipe de carnavalescos muitas cabeças pensantes, podem largar na corrida e chegar em primeiro quem sabe o meu palpite pode esta correto, quem sabe, só não pode uma zebra ganhar de um manga larga dos ricassos de Caxambu-MG, Hotel Glória que sabe……….o leilão foi um show em novembro ´passado, a Beija Flor estava lá prestigiando o seu enredo é claro………….

  6. Beijos e abraços a todos espero um dia ser colunista do mundo do samba e critico carnavalesco, esse sim é o meu sonho…isso sim é a Tradição de Nézio Nascimento, uma escola do coração. Quem se esquece do enredo vou voar de asa delta no rio de janeiro de janeiro vou voar…….na luz do luar…. lindo né. Repíta a dose e volte para o grupo das super estrelas super especiais.

  7. Gostei da maioria dos sambas de enredo 2013 das escolas do grupo especial do Rio de Janeiro especialmente os da portela,vila isabel e imperatriz, este ultimo melodicamente falando e expetacular na minha humilde opiniao talvez o melhor de 2013 possui refroes fortes e uma segunda parte sensacional. Quando ouvi o samba composto por Ze Catimba que estava na disputa achei que havia sido injusto a escolha deste samba pela escola mas a medida que fui ouvindo a interpretacao primorosa de Dominguinhos do Estacio e Wander Pires fui aos poucos reconhecendo que talvez tenha sido justo sim a escolha deste samba como torcedor da imperatriz espero que ele funcione na avenida e que minha escola faca um grande desfile.

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *